Apresentação da Estratégia Municipal «Lisboa, Cidade sem Sida».

O Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, marca presença na sessão de abertura da cerimónia de lançamento da Estratégia Municipal «Lisboa, Cidade Sem Sida», que inclui a assinatura do protocolo Fast-Track Cities Lisboa, que decorre no dia 17 de maio, na Praça de São Paulo, em Lisboa.

O evento decore no âmbito da iniciativa Cidades na Via Rápida para acabar com a epidemia de VIH Sida.

A infeção por VIH representa um importante problema de saúde pública na Europa e, em particular, em Portugal. Apesar da redução na ordem dos 54% no número de novos infetados pelo vírus entre 2008 e 2016, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, Portugal continua a apresentar uma das mais elevadas taxas de incidência de infeção por VIH da União Europeia.

Por este motivo, a iniciativa da autarquia de Lisboa e a realização deste evento revestem-se de enorme importância. Em junho de 2017, Lisboa assinou, juntamente com as cidades de Porto e Cascais, a Declaração de Paris, comprometendo-se a levantar todas as barreiras existentes no terreno, bem como a implementar um conjunto de medidas com vista a acabar com esta epidemia.

Um ano depois, e concluído o relatório do grupo de trabalho criado para definir linhas orientadoras gerais para as três cidades que aderiram à iniciativa internacional, Lisboa é a primeira cidade a apresentar uma estratégia específica para atingir as metas com as quais se comprometeu até ao ano de 2020: 90% das pessoas diagnosticadas; 90% das pessoas diagnosticadas em tratamento; 90% das pessoas em tratamento com carga viral indetetável.

Entre os objetivos específicos que constam da estratégia que será apresentada pela Câmara Municipal de Lisboa, e que contará com a ajuda de vários parceiros para a sua implementação, incluindo o Ministério da Saúde, destaca-se a disseminação da informação com vista a capacitar os cidadãos para evitarem comportamentos de risco, a colaboração na introdução da profilaxia pré-exposição (PrEP) na comunidade, a mobilização de recursos para a saúde pública, a distribuição de material de prevenção e a implementação de um plano de ação para aumentar o diagnóstico precoce.

Voltar