Cova da Beira comemora Dia Mundial da Qualidade, a 8 de novembro.

A equipa de Gestão de Risco do Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira (CHUCB) promove, a 8 de novembro, no âmbito da comemoração do Dia Mundial da Qualidade, uma campanha de sensibilização em prol da Identificação Inequívoca dos Doentes, um objetivo estratégico consagrado no Plano Nacional para a Segurança dos Doentes do Ministério da Saúde (2015-2020).

«Nós Precisamos de Si! – Juntos Construímos a Segurança dos Cuidados» é o mote da campanha, que visa a promoção da segurança do doente e a prossecução de boas práticas em saúde.

Composta por três etapas diferenciadas, a iniciativa esta contempla o lançamento de toda a ação nas plataformas digitais do CHUCB, a distribuição de separadores alusivos à temática junto de colaboradores e utentes no átrio principal do hospital e a intervenção direta da equipa promotora da iniciativa no interior dos serviços hospitalares, com o objetivo de informar e formar tanto os profissionais de saúde como o cidadão em geral para a necessidade da efetiva realização da Identificação Inequívoca dos Doentes.

Os protagonistas desta campanha são os próprios colaboradores do CHUCB, envolvidos em todas as fases da prestação de cuidados e que, na primeira pessoa, assumem o seu compromisso com a identificação correta dos doentes, promovendo a qualidade e segurança dos cuidados e evitando desta forma, que surjam ocorrências, que ponham em causa a integridade física e/ou moral dos utentes.

As ocorrências provenientes de uma inadequada identificação dos doentes podem surgir em qualquer fase da prestação de cuidados, sendo que a necessidade de respostas rápidas a situações agudas ou de crise tais como as que sucedem em contexto de urgência e emergência podem potenciar estes tipos de incidentes.

Os eventos adversos relacionados com a identificação incorreta dos doentes, mais vulgarmente descritos e notificados, demonstram que esta pode resultar na troca de tratamentos invasivos ou potencialmente perigosos, como por exemplo troca de medicação, de transfusões de sangue, de análises clinicas e de cirurgias.

Para assegurar a Identificação Inequívoca dos Doentes, os prestadores de cuidados de saúde devem confirmar a identidade dos mesmos com dados fidedignos, isto é, nome, data de nascimento e número único do processo clínico na instituição, sendo prática segura o recurso a, pelo menos, duas destas informações. A utilização da pulseira como meio de identificação do doente deverá cumprir os mesmos requisitos, com a prévia validação dos dados antes da colocação da mesma.

Esta verificação dos dados pessoais, ou seja, a Identificação Inequívoca dos Doentes deve acontecer, sempre, previamente a qualquer intervenção ou procedimento, seja ele de diagnóstico, tratamento ou prestação de serviços de apoio.

Voltar